terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Notícias passionais



Um casal ainda não identificado foi encontrado morto na manhã deste domingo por policiais que receberam o chamado dos vizinhos. A mulher, aparentando ter 21 anos, estava no apartamento de número 603 da Rua do Lavradio 45, antigo número 65, e o homem, com cerca de 45 anos, que segundo os vizinhos era seu companheiro, encontrava-se caído no chão da rua, em frente ao prédio onde o casal morava. Não se sabe a causa da morte do casal, mas o que tudo indica é que pode ter sido crime passional, ou seja, homicídio seguido de suicídio.

Os vizinhos disseram que não ouviram barulhos estranhos e nem discussão alta, apenas alguém que parecia estar alcoolizado repetir a frase “Isso é amor, medo do ridículo ou defesa da honra?”, por diversas vezes entre três e quatro da manhã. Segundo o delegado 13º do batalhão, Osmar de Aquino, os corpos irão ser levados para o IML para análise e só assim saberá as causas do ocorrido, mas descarta a hipótese de que o homem morto tenha assassinado a mulher e depois se matado. “É bastante improvável que ele tenha cometido tamanha barbárie de ter se matado por causa de mulher”.

A mulher estava com um longo vestido preto de seda, bordado, com paetês, caimento cinturado e sapatos pretos altos, sem nenhum sinal de agressão física, e uma taça com vinho ao lado de sua mão direita, como se ela estivesse bebendo perto da escrivaninha onde havia um livro aberto na página que encontrava-se um trecho marcado à caneta que dizia: “a emoção é como uma torrente que rompe o dique da continência e a paixão é o charco que cava o próprio leito, infiltrando-se, paulatinamente, no solo.”

O homem estava de bruços na calçada, quase de esquina com a Rua Mem de Sá, exposto na rua sem nenhuma proteção por cima desde o momento da tragédia, que segundo testemunhas, foi por volta de quatro da manhã. Quem passava queria ver o que estava acontecendo naquele grupo que se reunia em volta de alguma coisa que até então não sabia. Ele trajava calça de brim bege, uma camisa de tecido branca com um blazer escuro e um sapato com bico arredondado cor marrom. A seu lado havia uma caneta e um papel com um bilhete que estava escrito: “Diariamente vemos estampados nos tablóides tragédias causadas por sentimentos que não sabemos a origem, mas que somos guiados por eles. Isso é amor, medo do ridículo ou defesa da honra? Sou vitima ou culpado?”

4 comentários:

  1. Fui até "googlar" para descobrir de quem era a citação. Citando Kant... Chic no último. hehehehehe

    Lu Motta

    ResponderExcluir
  2. Pobre homem...tanto vítima e culpado!,não conseguiu conter emoção da continência, deixou que apaixão inundasse de charco, uma mulher bem mais jovem, linda e livre. Crime pacional desnecessário?, não podemos afirmar!, reações e atitudes humanas são variáveis.

    ResponderExcluir
  3. Muito bem escrito, estou gostando!

    ResponderExcluir
  4. ola meu poeta amigo e amigo poeta com é bom e virtuoso este testo, o velho Rio estampado na ecrita o lirico tema, amor

    ResponderExcluir